Anúncio

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO- RECONHECER SIGNIFICADO DE PALAVRA E EXPRESSÃO. GÊNERO TEXTUAL A PARTIR DE SEU CONTEXTO DE PRODUÇÃO..., 7°ANO

Família desencontrada
O Verão é um senhor gordo, sentado na varanda, suando em bicas
e reclamando cerveja.

O Outono é um tio solteirão que mora lá em cima no sótão
e a toda hora protesta aos gritos: “Que barulho é este na escada?!”

O Inverno é um vovozinho trêmulo, com a boina enterrada até os olhos,
a manta enrolada nos queixos e sempre resmungando:
“Eu não passo deste agosto, eu não passo deste agosto...”

A Primavera, em contrapartida – é ela quem salva a honra da família! –
é uma menininha pulando na corda cabelos ao vento
pulando e cantando debaixo da chuva
curtindo o frescor da chuva que desce do céu
o cheiro de terra que sobe do chão
o tapa do vento na cara molhada!

Oh! A alegria do vento desgrenhando as árvores
revirando os pobres guarda-chuvas
erguendo saias!
A alegria da chuva a cantar nas vidraças
sob as vaias do vento... 

Enquanto
– desafiando o vento, a chuva, desafiando tudo –
no meio da praça a menininha canta
a alegria da vida!
Mario Quintana - Lili inventa o mundo", Ed. Mercado Aberto, Porto Alegre, 5ª Edição,1998.

Trabalhando o poema
1- No poema, estão presentes as quatro estações do ano. Na região onde você mora estas estações são bem definidas? Explique.
Ex: Em algumas regiões brasileiras, as estações não são conhecidas como “primavera, verão, outono e inverno”. No nordeste por exemplo, o período de inverno é o das chuvas e o Do verão, o da seca.

2- No poema, as estações do ano tem características humanas. Quais são essas características?
O verão é um senhor gordo, aparentemente tranquilo e calorento. O outono aparenta ser um senhor solitário e que gosta do silencio. O outono, por ser uma estação mais fria e de modificação, pode ser relacionada ao silencio e a solidão. O verão por ser a época do nascimento, tem a ver com a jovialidade, a esperança e a alegria.

3- Por que será que o autor utilizou características humanas para falar sobre as estações do ano?
Ao aproximar as estações do ano dos seres humanos, o autor anima as personagens, possibilita que as suas características relacionadas à natureza fiquem mais evidentes e claras.

4- De acordo com o poema, o que significa cada uma das estações do ano?
Verão- calor e tranquilidade.
Outono- solidão e silêncio.
Inverno-frio e morte.
Primavera- alegria e juventude.

5- Quais são as ações presentes no texto que representam a juventude e a alegria da personagem primavera?
Pular corda, pular e cantar debaixo da chuva, o cheiro da terra e o vento no rosto. O poema também sugere que as chuvas da primavera são alegres.

6- Ao final do poema, afirma-se que a primavera desafia o vento e a chuva. Para você o que significa essa afirmação?
Por ser jovem, a primavera não teme os desafios a ela apresentados.

7- Qual é o possível significado para o título do poema?
O título do põem significa que as estações do ano representam uma família, em que cada um tem a sua personalidade e sua forma de relacionar com o mundo, enxergando o mundo à sua maneira.

Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO - RECONHECER O GÊNERO DE UM TEXTO A PARTIR DE SEU CONTEXTO DE PRODUÇÃO, CIRCULAÇÃO E RECEPÇÃO- RECONHECER E USAR AS FASES OU ETAPAS DA NARRAÇÃO EM UM TEXTO OU SEQUÊNCIA NARRATIVA- 8°ANO

CAUSOS E PERSONAGENS DO INTERIOR (Poema de Cordel)
                      Autor: Abdias Campos

Foi numa briga em família
Por causa de uma partilha
De terra á beira de um rio
Que Afrísio, o maioral
Foi parar no tribunal
E em volta do corrupio


O juiz se atrapalhou
E disse: você botou
No rio seu próprio teto?
E ele lhe respostou
Eu vou dizer ao senhor:
Pergunta de analfabeto


“Eu lhe meto na cadeia
Sujeito cabra da peia
Você está sob escolta”
E de cabeça erguida
Com uma voz espremida
Disse pro juiz: Mas solta


Tem um outro no Sertão
Que mesmo com precisão
Não dá o braço a torcer
Gosta é de contar vantagem
Modificando a imagem
Do que aparenta ter


Outro dia em sua casa
Com o fogo ainda em brasa
Após ter feito o almoço
Chegaram de supetão
Três amigos no oitão
E foi aquele alvoroço


Mandou os cabra apear
E pela cozinha entrar
Se sentar e se servir
Foi comida a vontade
Mesmo assim pela metade
Ele começou pedir:

Maria traz mais feijão!
De lá de dentro: “tem não!
Uma carninha? Acabou!
Um arrozinho? Não tem
Suspirou e disse: amém
Eu comi feito um doutor!


São histórias de valor
Desse almanaque folclórico
Dia a dia de um povo
Que deixa o legado histórico
A natureza matuta.

De um jeito categórico.
Chico de Dedez, eufórico
Recém-casado, pegou
Uma toalha limpinha
Tomou banho, se enxugou
Ao invés de estendê-la
Num canto qualquer jogou.

A esposa perguntou
Com aquele jeitinho manso
Por que num botou no sol?
Ele disse: Não alcanço!
Perguntas e respostas ditas
Sem existência de ranço.


Entendendo o poema

1- Quais são os causos que esse cordel apresenta?

Os causos contados são: 1- o do juiz /2-o do sertanejo que gosta de contar vantagem / 3- o do recém-casado.

2- A partir da leitura é possível deduzir quais os temas, geralmente tratados no cordel?

Em geral, o cordel trata de temas populares, do cotidiano. Também trata de temas políticos e de assuntos de interesse geral.

3- É possível perceber que no cordel há uma musicalidade e um ritmo. Quais são as características do texto que possibilitam esse ritmo e essa musicalidade?

As rimas e a forma de organizar os versos. No caso a métrica.

4- No texto lido, temos todos os elementos da narrativa. Em cada causo, podemos identificar um narrador, um espaço, um tempo e as personagens. Selecione um dos causos presentes no cordel e identifique:

a- Narrador/ Foco narrativo.
Todos têm foco narrativo na 3ª pessoa.

b- Personagens.
1-Juiz, Afrísio. / 2-Sertanejo, tem três amigos e Maria./ 3-Chico de Dedez e a  esposa.

c- Espaço.
Todos ocorrem em cidades do interior.

d- Tempo.
1- Alguns minutos. /2- tempo de um almoço. /3-Alguns minutos.

5- Identifique e transcreva a definição de causo dada, em forma de versos, pelo autor do cordel.
A definição está na 7ª e 8ª estrofes do cordel: “São histórias de valor...De um jeito categórico.”


terça-feira, 24 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO-RECONHECER GÊNERO TEXTUAL-RECONHECER O PAPEL SINTÁTICO, SEMÂNTICO E DISCURSIVO DE ARTICULADORES DE ORAÇÕES EM UM PERÍODO COMPOSTO - 9° ANO

TEXTO
 Elegia
Ganhei (perdi) meu dia.
E baixa a coisa fria
Também chamada noite, e o frio ao frio
em bruma se entrelaça, num suspiro.
E me pergunto e me respiro
na fuga deste dia que era mil
para mim que esperava
os grandes sóis violentos, me sentia
tão rico deste dia
e lá se foi secreto, ao serro frio (...)
                                               Carlos Drummond de Andrade

1. Dos versos, podemos entender que:

a) O poeta sente tristeza ao chegar da noite negra e fria.
b) O poeta exprime um sentimento de calma, ao cair de uma noite de inverno.
c) O poeta sente-se satisfeito por mais um dia longo de inverno, e lembra-se com saudade dos dias quentes e alegres do verão.
d) O poeta está sentindo que está próximo ao fim da vida e faz um retrospecto agoniante, confrontando o muito que espera e o nada que tem nas mãos.
e) O poeta sente-se tão perdido que não se importa nem com os dias de sol, nem com as noites frias.


2. Associe as duas colunas e marque a alternativa que apresenta a sequência correta:
1. O Marcelo foi meu professor. (  ) O artigo denota valor aproximado.
2. Havia umas 10 pessoas na festa. (  ) O artigo denota intimidade.
3. O cantar do galo me despertou. (  ) O artigo substantiva a palavra que antes era verbo.
a) 1-2-3
b) 3-1-2
c) 2-3-1
d) 1-3-2
e) 2-1-3

3. Marque a alternativa correta quanto à concordância verbal:
a) Qual de vós vão acertar?
b) Nenhum de nós falaremos.
c) Meu óculos sumiu.
d) Mais de um aluno acertaram a questão.
e) Grande parte dos alunos fez boa prova.


4. “ Os conflitos de guerra marcaram a infância de Charles Opiro, 15, e de Lina Akello, 17. Eles tiveram de pegar em armas, ver amigos morrerem e passar fome em seu país, Uganda. Brincar não era coisa para crianças-soldados.” (ROMEU, Gabriela. Folha de S.Paulo, São Paulo, 21 abr.2001. Folhinha, p.4-6. Fornecido pela Folhapress.) Sobre os verbos destacados, podemos afirmar que:

a) Estão conjugados no presente do indicativo.
b) Estão apresentados na forma nominal do infinitivo.
c) Estão conjugados no pretérito perfeito do indicativo.
d) Estão apresentados na forma nominal do particípio.
e) Estão apresentados no pretérito imperfeito do indicativo.

(FUNCEFET)


GABARITO

1A/2E/3E/4B

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO- RECONHECER INFORMAÇÕES NO TEXTO,RECONHECER O PAPEL SINTÁTICO, SEMÂNTICO E DISCURSIVO DE ARTICULADORES DE ORAÇÕES EM UM PERÍODO COMPOSTO- 9° ANO

TEXTO
“O idioma está sendo deturpado”
                                                          Aldo Rebelo
   A desnacionalização linguística pode ser vista a olho nu nas ruas de nossas cidades. A minha intenção ao propor esse projeto foi evitar a descaracterização da língua portuguesa. Nosso idioma está sendo desfigurado por um excesso de estrangeirismos incorporados ao vocabulário de forma estranha à grafia e à pronúncia clássicas do português.
  Quem sai às ruas, principalmente de uma grande cidade como a de São Paulo ou Rio de Janeiro, corre o risco de precisar de dicionário bilíngue para entender o que dizem as faixas, os cartazes, os rótulos de produtos. Os jornais e a publicidade estão cheios de palavras e expressões incompreensíveis para o povo brasileiro. O problema é ostensivo nos shopping centers, a começar do nome desses centros comerciais.
   Por que usar Sale para liquidação? Delivery para entrega em domicílio? Self-service para auto-serviço? Estão em uso corrente expressões desnecessárias para a comunicação do dia-a-dia. Desnecessárias porque têm correlatos antigos em português, não designam neologismos que atualizariam o idioma. Temos uma língua bonita, opulenta, com muitos recursos léxicos. Quem usa teen para dizer adolescente, logo, logo vai falar soccer no lugar de futebol.
   O povo brasileiro não tem obrigação de conhecer palavras ou idiomas estrangeiros. O poliglotismo é uma virtude que todos almejamos, mas nunca em prejuízo da língua materna em que fomos alfabetizados e pela qual expressamos melhor os nossos sentimentos.
(Jornal do Brasil, Caderno Política, 1º de abril, 2001, p.4)

1. Logo no primeiro parágrafo do texto, notamos a presença de palavras como desnacionalização, descaracterização e desfigurado. Palavras estas que apresentam prefixos, ou seja, morfemas que se colocam antes dos radicais. Abaixo, assinale a alternativa em que o –desnão seja prefixo:
a) Desestabilizado
b) Desestruturado
c) Desnecessário
d) Destinar
e) Despenteado

2. Sobre o texto é FALSO afirmar que:
a) A desnacionalização linguística é facilmente percebida pelas ruas das nossas cidades.
b) O autor tem a intenção de evitar a descaracterização da nossa língua
c) O português sofre, atualmente, com um excesso de nacionalismo em seu idioma.
d) O povo brasileiro não tem obrigação de conhecer palavras ou idiomas estrangeiros.
e) Os jornais e a publicidade estão cheios de palavras e expressões incompreensíveis para o povo brasileiro.

3. Observe as assertivas relacionadas ao texto:
I. Os estrangeirismos são grafados e pronunciados de acordo com as normas gramaticais brasileiras
II. Somente a população criou esse costume de utilizar palavras estrangeiras na sua vida cotidiana
III. Os jornais e a publicidade evitam o uso de palavras estrangeiras estranhas ao nosso idioma. É correto afirmar que:

a) I e III são falsos.
b) I e II são falsos.
c) II e III são falsos.
d) Apenas a III é falsa.
e) Todas são falsas. 

4. A palavra no texto que dá lugar a shopping centers é:
a) Centros comerciais
b) Autosserviço
c) Delivery
d) Centro de lazer
e) Sale


5. Marque a alternativa incorreta quanto à classificação dos substantivos:
a) Paulo – próprio
b) Esquadra – coletivo.
c) Pedra – primitivo.
d) Tinteiro – derivado.
e) Nariz – próprio.


6. Marque a alternativa ERRADA quanto à concordância nominal:
a) Continuavam animadas a mãe e a filha.
b) Tinha por ele altos carinho e consideração.
c) Comprou blusa e paletó escuro.
d) Todos estavam atenciosos.
e) Gostaria de jamelão e maçã madura.
(FUNCEFET)




GABARITO
1D/2C/3E/4A/5E/6B


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO - RECONHECER O SIGNIFICADO DE PALAVRA E EXPRESSÃO,INTERPRETAR EFEITOS DE SENTIDO DECORRENTES DE VARIEDADES LINGUÍSTICAS E ESTILÍSTICAS USADAS EM UM TEXTO-7° ANO

Antigamente
                                           (Carlos Drummond de Andrade)
    Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo não sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio. E se levavam tábua, o remédio era tirar o cavalo da chuva e ir pregar em outra freguesia. As pessoas, quando corriam, antigamente, era para tirar o pai da forca e não caíam de cavalo magro. Algumas jogavam verde para colher maduro, e sabiam com quantos paus se faz uma canoa. O que não impedia que, nesse entrementes, esse ou aquele embarcasse em canoa furada. Encontravam alguém que lhes passasse a manta e azulava, dando às de vila-Diogo. Os mais idosos, depois da janta, faziam o quilo, saindo para tomar fresca; e também tomavam cautela de não apanhar sereno. Os mais jovens, esses iam ao animatógrafo, e mais tarde ao cinematógrafo, chupando balas de alteia. Ou sonhavam em andar de aeroplano; os quais, de pouco siso, se metiam em camisa de onze varas, e até em calças pardas; não admira que dessem com os burros n’água.

1. Sobre o título do texto é correto afirmar que:
a) “Antigamente” se refere ao tempo em que o autor estudava.
b) “Antigamente” se refere às expressões linguísticas utilizadas na crônica e que eram utilizadas em outra época.
c) “Antigamente” se refere às lembranças da infância do autor.
d) “Antigamente” é usado para criar uma contradição, já que o texto trata de situações bem atuais.
e) “Antigamente” foi usado para confundir o leitor, já que o autor trata de temas atuais.

2. A expressão “arrastando a asa” presente na 3ª linha do texto pode ser substituída, sem que haja prejuízo de seu sentido, por:
a) Defendendo
b) Ofendendo
c) Questionando
d) Procurando
e) Paquerando

3. Assinale a única alternativa que apresenta erro na divisão silábica:
a) En-xá-guam
b) Ab-di-car
c) Di-g-no
d) Pás-sa-ros
e) Cir-cui-to

4. No trecho “...não admira que dessem com os burros n’água” que aparece na última linha da crônica, pode ser reescrita, sem que haja prejuízo de seu sentido, de várias formas. A única alternativa que compromete seu sentido é:
a) Não admira que sempre fossem prejudicados.
b) Não admira que sempre levassem a pior.
c) Não admira que sempre se dessem mal
d) Não admira que sempre obtivessem sucesso.
e) Não admira que nunca obtivessem êxito.

5. “Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito.” A palavra em destaque, no texto, está substituindo:
a) Não
b) Faziam
c) Anos
d) Idade
e) Moças

6. A partir das frases abaixo, podemos dizer que a única alternativa correta é:
I. Ela é uma menina discreta.
II. Os ladrões foram presos em fragrante.
III. O xeque foi devolvido por falta de fundos.
a) I e III estão corretas
b) Apenas a I está correta.
c) II e III estão corretas.
d) Apenas a III está errada.
e) Apenas a II está errada.

Observe:
_ Alô!
_ Alô?
_ Quem fala?
_ Sou eu!
7. Este diálogo é exemplo de:
a) Discurso Indireto
b) Discurso Indireto Livre
c) Discurso Direto
d) Discurso Direto Livre
e) Discurso Direto e Indireto
( funcefet)

GABARITO

1B/2E/3C/4D/5C/6B/7C

ATIVIDADES DE INTERPRETAÇÃO- RECONHECER E USAR MARCAS LINGUÍSTICAS E GRÁFICAS DE CONEXÃO TEXTUAL EM UM TEXTO OU SEQUÊNCIA NARRATIVA-7° ANO

História estranha
                               Luis Fernando Verissimo
    Um homem vem caminhando por um parque quando de repente se vê com sete anos de idade. Está com quarenta, quarenta e poucos. De repente dá com ele mesmo chutando uma bola perto de um banco onde está a sua babá fazendo tricô. Não tem a menor dúvida que é ele mesmo. Reconhece a sua própria cara, reconhece o banco e a babá. Tem uma vaga lembrança daquela cena. Um dia ele estava jogando bola no parque quando de repente aproximou-se um homem e..
   O homem aproxima-se dele mesmo. Ajoelha-se, põe as mãos nos seus ombros e olha nos seus olhos. Seus olhos se enchem de lágrimas. Sente uma coisa no peito. Que coisa é a vida. Que coisa pior ainda é o tempo. Como eu era inocente. Como os meus olhos eram limpos. O homem tenta dizer alguma coisa, mas não encontra o que dizer. Apenas abraça a si mesmo, longamente. Depois sai caminhando, chorando, sem olhar para trás.
   O garoto fica olhando para a sua figura que se afasta. Também se reconheceu. E fica pensando, aborrecido: quando eu tiver quarenta, quarenta e poucos, como eu vou ser sentimental! Comédias para se ler na escola.
                                               Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p.43


       1.Observe o seguinte trecho: “Ajoelha-se, põe as mãos nos seus ombro
        [...]”. O pronome “seus” destacado neste trecho se refere
           a) À babá
b) Ao homem
c) Ao menino
d) Ao tempo
e) Ao banco

3. O texto de Luis Fernando Veríssimo pode ser classificado como:
a) Uma narração
b) Uma dissertação
c) Uma descrição
d) Uma bula de remédio
e) Uma Informação

4. No texto, observamos que o próprio personagem é o narrador da história. Qual das opções abaixo pode confirmar essa afirmativa:
a) “Como eu era inocente.”
b) “Sente uma coisa no peito”
c) “Que coisa pior ainda é o tempo.”
d) “O homem tenta dizer alguma coisa, mas não encontra o que dizer.
e) “Ajoelha-se, põe as mãos nos seus ombros e olha nos seus olhos.”

5. O garoto se aborrece com o fato de que:
a) Será pobre aos quarenta anos.
b) Será solteiro aos quarenta anos.
c) Será solitário aos quarenta anos.
d) Será sentimental aos quarenta anos.
e) Será desempregado aos quarenta anos.

GABARITO

1C/2A/3A/4D

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE GRAMÁTICA - RECONHECER MUDANÇAS DE SENTIDO, FOCALIZAÇÃO E INTENCIONALIDADE A MUDANÇAS FORMAIS OPERADAS EM UMA FRASE: ALTERAÇÕES DE SINAIS DE PONTUAÇÃO, ORDEM DE COLOCAÇÃO, CONCORDÂNCIA, TRANSFORMAÇÃO DE SINTAGMAS... - 7° ANO

1.(Vunesp –SP) A alternativa em que o termo destacado exerce função de substantivo é:
a) Respondeu à pergunta com um sorriso amarelo.
b) Estava pálida, e seu rosto apresentava tons amarelos.
c) As cortinas amarelas combinavam com o ambiente.
d) Marque com um traço amarelo as ruas do mapa
e) Os amarelos de Van Gogh tornaram suas telas famosas.

2.(UFU- MG) “Talvez seja bom que o proprietário do imóvel possa desconfiar de que ele não é tão imóvel assim.” A palavra destacada é respectivamente:
a) substantivo e substantivo.
b) substantivo e adjetivo.
c) adjetivo e substantivo.
d) adjetivo e adjetivo.
e) numeral e adjetivo.

3.(Ufam) Assinale o item em que NÃO é correto ler o numeral como está indicado entre parênteses.
a) Pode-se dizer que no século IX (nono) o português já existia como língua falada.
b) Abram o livro, por favor, na página 201 (duzentos e um).
c) João reside na casa 22 (vinte e duas) do antigo Beco Machado de Assis, em Aparecida.
d) O que procuras está no artigo 10 (dez) do código que tens aí.
e) O Papa Pio X (décimo), cuja morte teria sido apressada com o advento da Primeira Guerra Mundial, foi canonizado em 1954.

4.(UPM- SP) Assinale a alternativa correta quanto ao gênero das palavras:
a) A dinamite é um explosivo à base de glicerina.
b) A lança-perfume foi proibida no carnaval.
c) Os observadores terrestres esperavam atentos a eclipse da Lua.
d) A gengibre é uma erva de grande utilidade medicinal.
e) A sentinela saiu da guarita e o enxotou sem nenhuma dó.

5.(UFSCar – SP) Assinale a série em que todas as palavras estão acentuadas corretamente.
a) idéia – urubú – suíno – ênclise.
b) bíceps – heróico – ítem – fóssil.
c) tênis – ironico – incêndio – japonesa.
d) fútil - hífen – ânsia – decaído.
e) apóia – tapête – órfã – ruína.


GABARITO
1E/ 2B/ 3C/ 4A/ 5D


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE GRAMÁTICA- RECONHECER O PAPEL SINTÁTICO, SEMÂNTICO E DISCURSIVO DE ARTICULADORES DE ORAÇÕES EM PERÍODO COMPOSTO- 8° ANO

PORTUGUÊS 

1. Em “Éramos três velhos amigos, na praia quase deserta”, o sujeito é:

a) Subentendido.
b) Claro, composto e determinado.
c) Indeterminado.
d) Inexistente.
e) Claro, simples e determinado.

2. Assinale a alternativa em que o sujeito está incorretamente classificado:

a) Chegaram, de manhã, o mensageiro e o guia. (sujeito composto).
b) Fala-se muito neste assunto. (sujeito indeterminado).
c) Vai fazer frio à noite. (sujeito inexistente).
d) Haverá oportunidade para todos. (sujeito inexistente).
e) Não existem flores no vaso. (sujeito inexistente).

3. Considere a frase: “Ele andava triste, porque não encontrava a companheira”, os verbos grifados são respectivamente:

a) Transitivo direto; de ligação.
b) De ligação; intransitivo.
c) De ligação; transitivo indireto.
d) Transitivo direto; transitivo indireto.
e) De ligação; transitivo direto. 

4. O predicado é nominal em:

I - Você acha Cristina bonita, mamãe?
II - O mundo podia ser tranquilo.
III - “Zé Mané” não estava embriagado.
IV - O guarda-noturno permanece atento a todos os perigos.
V - Os transeuntes ficaram assustados.
a) I, II e III.
b) II e III.
c) II e IV.
d) II, III, IV e V.
e) I, II e IV.

5. Assinale a alternativa em que o termo grifado é adjunto adnominal:

a) Sua falta aos encontros sufocava o nosso amor.
b) Ela é uma fera maluca.
c) Ela é maluca por vinhos nacionais.
d) Não tenho medo de barata.
e) O amor a Deus é o primeiro mandamento.


GABARITO

1A/  2E/  3E/  4D/  5C

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE GRAMÁTICA - RECONHECER EFEITOS DE SENTIDO DECORRENTES DE VARIEDADES LINGUÍSTICAS E ESTILÍSTICAS USADAS EM UM TEXTO 9° ANO

PORTUGUÊS  

1. Assinale a alternativa correta:
a) Ela ri e não sabe por quê?
b) Os motivos por que ela ri são esdrúxulos.
c) Cada um ri porque gosta de rir.
d) Você sabe por que ela ri?
e) Todas estão certas.

2. Em “o pranto em rio transforma...” ocorreu:
a) Metáfora.
b) Comparação.
c) Antítese.
d) Paradoxo.
e) Hipérbole.

3. As orações subordinadas classificam-se em: substantivas, adjetivas e adverbiais.
Assinale a alternativa que contém uma adjetiva:
a) Reconheço [que agi mal.]
b) Há plantas [que são venenosas.]
c) Quero isto [ porque é justo.]
d) É conveniente [ que fique aqui.]
e) Acreditava-se [ que a terra fosse imóvel.]

4. No texto: “O professor explicava o óctuplo daqueles algarismos”, a palavra óctuplo exerce a função de:
a) objeto direto e é numeral ordinal.
b) objeto indireto e é numeral multiplicativo.
c) objeto direto e é numeral multiplicativo.
d) adjunto adnominal e é numeral multiplicativo.
e) complemento nominal e é numeral cardinal.

5. O Ministro com seus __________, no final do encontro, __________ para uma sala __________.
a) Assessores – retirou-se – contígua.
b) Acessores – retirou-se – contígua.
c) Ascessores – retiraram-se – contínua.

GABARITO

 1 – E /2 – E /3 – B /4 – C/ 5 –A

terça-feira, 17 de novembro de 2015

ATIVIDADES DE GRAMÁTICA- RECONHECER O PAPEL SINTÁTICO, SEMÂNTICO DISCURSIVO DE ARTICULADORES DE ORAÇÕES EM UM PERÍODO COMPOSTO - 7° ANO

è PORTUGUÊS

1. Assinale a alternativa em que o termo cego(s) é um adjetivo.
a) Os cegos, habitantes daquela cidade, sabem aonde ir.
b) “O cego de Ipanema representava naquele momento, todas as alegorias da noite escura da alma...”.
c) Todos os cálculos do cego não estavam corretos.
d) Naquele instante era só um pobre cego.
e) “... da Terra que é um globo cego girando no caos”.

2. Analise a frase abaixo: “... eu não sou um autor defunto, mas um defunto autor...”.
I. No primeiro caso, autor é substantivo; defunto é adjetivo.
II. No segundo caso, defunto é substantivo; autor é adjetivo.
III.Em ambos os casos, tem-se um substantivo composto. Assinale:
a) Se I e II forem verdadeiras.
b) Se I e III forem verdadeiras.
c) Se II e III forem verdadeiras.
d) Se todas forem verdadeiras.
e) Se todas forem falsas.

3. Em qual das alternativas o artigo definido feminino
a) corresponderia a todos os substantivos? a) sósia, doente, lança-perfume.
b) dó, telefonema, diabete.
c) clã, eclipse, pijama.
d) cal, alface, dinamite.
e) champanha, criança, endereço.

4. O plural de fogãozinho e cidadão é:
a) fogãozinhos e cidadãos.
b) fogãosinhos e cidadãos.
c) fogõezinhos e cidadãos.
d) fogõezinhos e cidadões.
e) fogõesinhos e cidadões.

5. Triplo e tríplice são numerais:
a) ambos ordinais.
b) ambos multiplicativos.
c) ambos cardinais.
d) multiplicativo o primeiro e ordinal o segundo.
e) ordinal o primeiro e multiplicativo o segundo.


GABARITO

1E/ 2A/ 3D/ 4C/ 5B