quinta-feira, 3 de maio de 2018

ATIVIDADES COM ADJETIVOS - 2° ANO MÉDIO


ATIVIDADES
12- Relacione a primeira coluna a segunda.
(1)  água                        (  ) pluvial
(2)  chuva                      (  ) ebúrneo
(3)  gato                         (  ) felino
(4)  marfim                     (  ) aquilino
(5)  prata                        (  ) argênteo
(6)  rio
(7)  não consta da lista
A sequência correta é:
a) 7, 7, 3, 1,;7.
b)  6, 3, 7, 1,4.
c)  2, 4, 3, 7, 5. 
X
d)  2, 4, 7, 1, 7.

2. Marque o item em que o termo "cego" está empregado como adjetivo:
a) Coitado! Ele é um pobre cego.
b) Todos os cegos aguçam os outros sentidos. X
c) Aquele cego enxerga o mundo de forma especial.
d) A Terra é um globo cego girando no caos.
e) O cego tem um poder maior de abstração.

3. Assinale o número do adjetivo correto.
a) Automóvel Novo - Automóveis Novos   X
b) Olho Azul - Olhos Azul
c) Caixa Preta - Caixa Pretas
d) Menino Magro - Meninos Magros

4.Em que caso a palavra destacada não tem valor de adjetivo?
a) Um branco, velho, pedia esmolas.
b) Um velho, branco, pedia esmolas.
c) Era um dia cinzento.
d) O sabão usado desbotou o verde da camisa. X
e) Os viajantes dormiam tranquilos.

5. Sabe-se que a posição do adjetivo, em relação ao substantivo, pode ou não mudar o sentido do enunciado. Assim, nas frases “Ele é um homem pobre” e “Ele é um pobre homem”.
a) 1ª fala de um sem recursos materiais; a 2ª fala de um homem infeliz;
X
b) a 1ª fala de um homem infeliz; a 2ª fala de um homem sem recursos materiais;
c) em ambos os casos, o homem é apenas infeliz, sem fazer referência a questões materiais;
d) em ambos os casos o homem é apenas desprovido de recursos;
e) o homem é infeliz e desprovido de recursos materiais, em ambas.

 6. A expressão “circo norte-americano” é formado por um substantivo e um adjetivo composto. Dentre os adjetivos compostos apresentados abaixo, está corretamente flexionado em:

     a)    Pregação teórica-bíblica.
     b)    Interpretação técnica-profissional.
     c)    Mensagem crítica-conciliatória.
     d)    Política econômico-financeira.  X

ATIVIDADES COM DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS ADJETIVOS - 2° ANO MÉDIO

Adjetivo é a palavra variável que designa uma especificação ao substantivo, caracterizando-o.
A Classificação dos Adjetivos:
primitivos: radicais que por si mesmos apontam qualidades.
Ex.: escuro, alegre, pequeno, rosa.
derivados: são formados a partir de outros radicais.
Ex.: pequenino, rosado.
simples: apresentam um único radical em sua estrutura.
Ex.: apavorado, feliz.
compostos: apresentam pelo menos dois radicais em sua estrutura.
Ex.: luso-brasileiro, socioeconômico.

Os Adjetivos Pátrios 
São os adjetivos referentes a países, estados, regiões, cidades ou localidades.
Ex.: brasileiro, catarinense, carioca, acreano, capixaba.

Flexões dos adjetivos: Gênero, Número e Grau.
1 – Flexão de gênero
Os adjetivos assumem o gênero do substantivo do qual se referem.
Ex.: Uma menina formosa – um menino formoso
Uma professora ativa – um professor ativ
Quanto ao gênero, os adjetivos podem ser uniformes e biformes.
Os adjetivos biformes apresentam uma forma para o gênero feminino e outra para o masculino.
As formas do feminino são marcadas pelo acréscimo do sufixo –a ao radical:
Ex.: o homem injusto – a mulher injusta, o produtor inglês – a produtora inglesa.
Os adjetivos uniformes possuem uma única forma para o masculino e o feminino:
Ex.: caixa frágil – pássaro frágil, professor ruim – professora ruim.

2 – Flexão de número
Os adjetivos concordam em número com os substantivos que modificam, assumem a forma singular e plural.
Ex.: político corrupto – políticos corruptos, salário digno – salários dignos.
Os adjetivos compostos merecem maior atenção na formação de plural:
Nos adjetivos compostos formados por dois adjetivos, apenas o segundo elemento vai para o plural:
Ex.: clínica médico-dentária, clínica médico-dentárias.
Os adjetivos compostos em que o segundo elemento é um substantivo são invariáveis também em número:
Ex.: recipiente verde-mar – recipientes verde-mar, tinta amarelo-canário – tintas amarelo-canário.

3 – Flexão de grau 
Quando se quer comparar ou intensificar as características atribuídas ao substantivo, os adjetivos sofrem variação de grau.

Tem-se o grau comparativo e o grau superlativo.
Grau comparativo
Compara-se a mesma característica atribuída a dois ou mais seres ou duas ou mais característica a um único ser. O grau comparativo pode ser de igualdade, superioridade e de inferioridade, são formados por expressões analíticas que incluem advérbios e conjunções.
a) Grau comparativo de igualdade: Gica é tão exigente quanto justa.
Gica é tão exigente quanto (ou como) sua mãe.

b) Grau comparativo de superioridade: Seu amigo é mais desonesto (do) que o meu.
c) Grau comparativo de inferioridade: Somos menos ativos (do) que eles.
Grau superlativo
A característica conferida pelo artigo é intensificada de forma relativa ou absoluta.
a) Relativo: a intensificação da característica conferida pelo adjetivo é feita em relação a todos os demais seres de um conjunto que apresentam certa qualidade. Pode exprimir superioridade ou inferioridade, e é sempre expresso de forma analítica.
Este é o mais interessante dos livros que li.(superioridade)
Ele é o menos egoísta de todos (inferioridade)

b) Absoluto: indica que determinado ser apresenta determinada qualidade em alto grau, transmitindo ideia de excesso. Pode assumir forma analítica ou sintética.
analítico: é formado com a presença de um advérbio:
Você é muito crítico.
A prova de matemática estava extraordinariamente difícil.

c)sintético: é expresso com a participação de sufixos.
A prova de matemática estava dificílima.
Este piloto é velocíssimo.
Muitos adjetivos ao receberem um dos sufixos formadores dessa forma de superlativo assumem a forma latina. Como, por exemplo, os adjetivos terminados em –vel, esses assumem a terminação –bilíssimo.
Agradável: agradabilíssimo; volúvel: volubilíssimo.



quarta-feira, 25 de abril de 2018

ATIVIDADES COM FIGURAS DE PALAVRAS OU SEMÂNTICAS -1° ANO MÉDIO

ATIVIDADES
1- Nos versos abaixo uma figura se ergue garças ao conflito de duas visões antagônicas:
“Saio do hotel com quatro olhos,
Dois do presente,
Dois do passado.”
Essa figura de linguagem recebe o nome de:
a – (  ) metonímia
b – (  ) catacrese
c – (  ) hipérbole
d – (  ) antítese
e – (  ) hipérbato

alternativa correta – letra “d”.
2- Qual a figura de linguagem presente na frase “As mãos que dizem adeus são pássaros que vão morrendo lentamente.”, de Mário Quintana?
a) comparação
b) metáfora
c) metonímia
d) eufemismo
b) metáfora
3- Assinale a alternativa em que o autor NÃO utiliza prosopopeia.
a) “A luminosidade sorria no ar: exatamente isto. Era um suspiro do mundo.” (Clarice Lispector)
b) “As palavras não nascem amarradas, elas saltam, se beijam, se dissolvem…” (Drummond)
c) “Quando essa não-palavra morde a isca, alguma coisa se escreveu.” (Clarice Lispector)
d) “A poesia vai à esquina comprar jornal”. (Ferreira Gullar)
e) “Meu nome é Severino, Não tenho outro de pia”. (João Cabral de Melo Neto)
R- e
4- Na frase “O fio da ideia cresceu, engrossou e partiu-se” ocorre processo de gradação. Não há gradação em:

a) O carro arrancou, ganhou velocidade e capotou.
b) O avião decolou, ganhou altura e caiu.
c) O balão inflou, começou a subir e apagou.
d) A inspiração surgiu, tomou conta de sua mente e frustrou-se.
e) João pegou de um livro, ouviu um disco e saiu.

R- e

5- Na frase “O fio da ideia cresceu, engrossou e partiu-se” ocorre processo de gradação. Não há gradação em:
a) O carro arrancou, ganhou velocidade e capotou.
b) O avião decolou, ganhou altura e caiu.
c) O balão inflou, começou a subir e apagou.
d) A inspiração surgiu, tomou conta de sua mente e frustrou-se.
e) João pegou de um livro, ouviu um disco e saiu.

R- e

ATIVIDADES COM FIGURAS DE PALAVRAS OU SEMÂNTICAS- 1° ANO MÉDIO

Consistem no emprego de uma palavra num sentido não convencional, ou seja, num sentido conotativo. São as seguintes: comparação, metáfora, catacrese, metonímia, antonomásia, sinestesia, antítese, eufemismo, gradação, hipérbole, prosopopeia, paradoxo, perífrase, apóstrofe e ironia. Conotação: Significado e exemplos de frases. 
Comparação ou símile: ocorre comparação quando se estabelece aproximação entre dois elementos que se identificam, ligados por nexos comparativos explícitos, como tal qualassim comoque nem e etc. A principal diferenciação entre a comparação e a metáfora é a presença dos nexos comparativos.
E flutuou no ar como se fosse um príncipe.” (Chico Buarque)
Metáfora: consiste em empregar um termo com significado diferente do habitual, com base numa relação de similaridade entre o sentido próprio e o sentido figurado. Na metáfora ocorre uma comparação em que o conectivo comparativo fica subentendido.
Meu pensamento é um rio subterrâneo”. (Fernando Pessoa)
Catacrese: ocorre quando, por falta de um termo específico para designar um conceito, toma-se outro por empréstimo.
Ele comprou dois dentes de alho para colocar na comida.
pé da mesa estava quebrado.
Não sente no braço do sofá.
Metonímia: assim como a metáfora, consiste numa transposição de significado, ou seja, uma palavra que usualmente significa uma coisa passa a ser utilizada com outro sentido. Ou seja, é o emprego de um nome por outro em virtude de haver entre eles algum relacionamento. A metonímia ocorre quando se emprega:
A causa pelo efeito: vivo do meu trabalho (do produto do trabalho = alimento)
O efeito pela causa: aquele poeta bebeu a morte (= veneno)
O instrumento pelo usuário: os microfones corriam no pátio = repórteres).
Antonomásia: É a figura que designa uma pessoa por uma característica, feito ou fato que a tornou notória.
A cidade eterna (em vez de Roma)
Sinestesia: Trata-se de mesclar, numa expressão, sensações percebidas por diferentes órgãos sensoriais.
Um doce abraço ele recebeu da irmã. (sensação gustativa e sensação tátil)
Antítese: é o emprego de palavras ou expressões de significados opostos.
Os jardins têm vida e morte.
Eufemismo: consiste em atenuar um pensamento desagradável ou chocante.
Ele sempre faltava com a verdade (= mentia)
Gradação ou clímax: é uma sequência de palavras que intensificam uma ideia.
Porque gado a gente marca,/ tangeferraengorda e mata,/ mas com gente é diferente.
Hipérbole: trata-se de exagerar uma ideia com finalidade enfática.
Estou morrendo de sede!
Não vejo você há séculos!
Prosopopeia ou personificação: consiste em atribuir a seres inanimados características próprias dos seres humanos.
O jardim olhava as crianças sem dizer nada.
Paradoxo: consiste no uso de palavras de sentido oposto que parecem excluir-se mutuamente, mas, no contexto se completam, reforçam uma ideia e/ou expressão.
Estou cego, mas agora consigo ver.
Perífrase: é uma expressão que designa um ser por meio de alguma de suas características ou atributos.
ouro negro foi o grande assunto do século. (= petróleo)
Apóstrofe: é a interpelação enfática de pessoas ou seres personificados.
Senhor Deus dos desgraçados!/ Dizei-me vós, Senhor Deus!” (Castro Alves)
Ironia: é o recurso linguístico que consiste em afirmar o contrário do que se pensa.
Que pessoa educada! Entrou sem cumprimentar ninguém.
Referências bibliográficas:
TERRA, Ernani. Minigramática.São Paulo: Scipione, 2007.
ALMEIDA, Nílson Teixeira de. Gramática da Língua Portuguesa para concursos. São Paulo: Saraiva, 2009.

ATIVIDADES COM FIGURAS DE CONSTRUÇÃO OU SINTAXE - 1° ANO MÉDIO

ATIVIDADES
1- Identifique os recursos estilísticos empregados no texto:
Nem tudo tinham os antigos, nem tudo temos, os modernos”. (Machado de Assis)
a) anáfora – antítese – silepse
b) metáfora – antítese – elipse
c) anástrofe – antítese- zeugma
d) pleonasmo – antítese – silepse
e) anástrofe – comparação – parábola.

R- “a”. Os recursos estilísticos utilizados na frase são: silepse - concordância da forma verbal “temos” com a ideia subentendida de “nós”, quando, na verdade, o sujeito é “os modernos” (3ª pessoa); antítese - aproximação de duas ideias opostas, presentes nas palavras “antigos” e “modernos”; anáfora - repetição da palavra “nem” consecutivamente nas duas frases seguidas. 

2- Observe as expressões em destaque:
"Vi, claramente visto, o lumo vivo." (Luís de Camões)

"Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal." (Fernando Pessoa)

"E rir meu riso." (Vinícius de Moraes)
3- A figura de sintaxe, subdivisão das figuras de linguagem, presente nas três frases é:
a) Elipse
b) Pleonasmo
c) Assíndeto
d) Polissíndeto
e) Anáfora.
R- “b”. O pleonasmo consiste na repetição de um termo ou ideia, com as mesmas palavras ou não, para torná-los mais expressivos.

4- Identifique as figuras abaixo utilizando os seguintes códigos:

1. Elipse
2. zeugma
3. pleonasmo
4. assíndeto
5. polissíndeto 
6. anáfora

a) (    ) "E zumbia, e voava, e voava, e zumbia." ( Machado de Assis)

b) (    )"Homens que metem a carga nos porões!

              Homens que enrolam cabos no convés!
              Homens que limpam os metais das escotilhas!
              Homens dos mastros!!" (Álvaro de Campos) 

c) (    ) "A multidão sacerdotal bradava, uivava, cantava, arrojava-se pelo chão." (Eça de Queirós)


d) (    ) "Ele sempre viveu uma vida simples." 

e) (    ) " Um trouxe cigarros, outro apenas seu pulmão."
f)  (    ) "  Sou a presa do homem que fui há vinte anos passados,
                  dos amores raros que tive." ( Murilo Mendes)

a 5,    b 6,      c 4,    d3,     e 2,    f 1

5- Transcreva do trecho do poema abaixo duas inversões e um pleonasmo. 

Soneto de fidelidade 

De tudo ao meu amor serei atento 
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto 
Que mesmo em face do maior encanto 
Dele se encante mais meu pensamento. 

Quero vivê-lo em cada vão momento 
E em seu louvor hei de espalhar meu canto 
E rir meu riso e derramar meu pranto 
Ao seu pesar ou seu contentamento 

VINICIUS DE MORAES. In: Livro de sonetos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. (Fragmento.) 


R- Inversões: De tudo ao meu amor serei atento antes - Serei atento ao meu amor antes de tudo. 
Que mesmo em face do maior encanto / Dele se encante mais meu pensamento - Que meu pensamento se encante dele mesmo em face do maior encanto.
E em seu louvor hei de espalhar meu canto / E rir meu riso e derramar meu pranto / Ao seu pesar ou seu contentamento - E hei de espalhar meu canto e rir meu riso e derramar meu pranto em seu louvor ao seu pesar ou contentamento.

Pleonasmo: rir meu riso.







ATIVIDADES COM FIGURAS DE CONSTRUÇÃO OU SINTAXE - 1° ANO MÉDIO

As figuras de construção ou figuras de sintaxe são desvios que são evidenciados na construção normal do período. Elas ocorrem na concordância, na ordem e na construção dos termos da oração. São as seguintes: elipse, zeugma, pleonasmo, assíndeto, polissíndeto, anacoluto, hipérbato, hipálage, anáfora e silepse.
Elipse: consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto.
Na sala, apenas quatro ou cinco convidados. (omissão de havia)
Zeugma: ocorre quando se omite um termo que já apareceu antes. Ou seja, consiste na elipse de um termo que antes fora mencionado.
Nem ele entende a nós, nem nós a ele. (omissão do termo entendemos)
Pleonasmo: é uma redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem.
E rir meu riso e derramar meu pranto....” (Vinicius de Moraes)
Assíndeto: é a supressão de um conectivo entre elementos coordenados
Todo coberto de medo, juro, minto, afirmo, assino.” (Cecília Meireles)
Acordei, levantei, comi, saí, trabalhei, voltei.
Polissíndeto: consiste na repetição de conectivos ligando termos da oração ou elementos do período.
...e planta, e colhe, e mata, e vive, e morre...” (Clarice Lispector)
Anacoluto: consiste em deixar um termo solto na frase. Isso ocorre, geralmente, porque se inicia uma determinada construção sintática e depois se opta por outra.
Eu, que me chamava de amor e minha esperança de amor.
Aquela mina de ouro, ela não ia deixar que outras espertas botassem as mãos.” (Camilo Castelo Branco)
Os termos destacados não se ligam sintaticamente à oração. Embora esclareçam a frase, não cumprem nenhuma função sintática nos exemplos.
Hipérbato ou Inversão: consiste no deslocamento dos termos da oração ou das orações no período. Ou seja, é a mudança da ordem natural dos termos na frase.
São como cristais suas lágrimas.
Batia acelerado meu coração.
Na ordem direta, as frases dos exemplos expostos seriam:
Suas lágrimas são como cristais.
Meu coração batia acelerado.
Hipálage: ocorre quando se atribui a uma palavra uma característica que pertence a outra da mesma frase:
Esse sapato não entra no meu pé! (= Eu não entro nesse sapato!)
Essa blusa não cabe em mim. (= Eu não caibo mais nessa blusa.)
Anáfora: é a repetição da mesma palavra ou expressão no início de várias orações, períodos ou versos.
Tudo é silêncio, tudo calma, tudo mudez.” (Olavo Bilac)
Silepse: ocorre quando a concordância se faz com a ideia subentendida, com o que está implícito e não com os termos expressos. A silepse pode ser:
De gênero:
Vossa excelência é pouco conhecido. (concorda com a pessoa representada pelo pronome)
De número:
Corria gente de todos os lados, e gritavam. (gente dá ideia de plural, gritavam concorda com “gente”)
De pessoa
Os brasileiros somos bastante otimistas. (brasileiros dá ideia de nós (1º p. do plural) somos, 1º p. do plural “concorda” com “somos”)